proposta irrecusável para uma cheesecake maníaca

5 Nov

Sabe, eu não sou maníaca no quesito “comer cheesecake”, mas estou certamente ficando doidona no quesito “fazer cheesecake”. Os que pensavam que eu ia me cansar do tema, tirem já seu cavalinho da chuva! Os que apostavam que eu ia engordar, retirem já suas apostas e virem seus olhos gordos pra lá. Aqui anda tudo na mais santa paz, não fosse a mais irrecusável das propostas que a the most crazy mother ever me fez esta semana: “que tal um pulinho em NY? Vamos, vamos, vamos?”

Eu juro que quase disse que não. Estou tão atabalhoada e tão atrapalhada que quis fortemente recusar o convite, até que lembrei de algumas coisas bem práticas e (ai!) deliciosas: 1) tenho que aproveitar o pique da minha mãe, né? Ela reclama que eu a faço andar, mas no fim ela dá um pau em mim no quesito “e o que mais vamos fazer?”; 2) ai, Nova Iorque é sempre uma delícia, apesar de sempre me deixar super atordoada por seu volume de coisas a serem vistas concentrado em tão poucas quadras; 3) quer lugar melhor para pesquisar cheesecake, comer cheesecake, comprar livro de cheesecake e, o que eu estou mais adorando, comprar forma pra cheesecake? (é, aqui no Brasil as formas de fundo removível são uma verdadeira e magnânima porcaria)

Minha relação com Nova Iorque é estranha: eu tinha passagem (eu e o roger tínhamos), ingresso pra show, reserva de hotel e tudo mais para passarmos o aniversário dele, no fim de setembro de 2001, lá. Pois é, 09/01. No dia 10/09/01 eu pedi para meu chefe na época para tirar aqueles dez dias de farra. No dia seguinte, 11/09/01, lá estava ele batendo no meu ombro e me lembrando que o mundo havia mudado, e que não seria a minha vez de ir. Ficamos enrolando seis anos para enfim tomarmos coragem e vontade de irmos de novo. Eu tinha um certo preconceito, porque a Europa sempre me encantou e porque é normal ter um certo preconceito dos Estados Unidos, mas Nova Iorque me conquistou quadra a quadra e me deixa sempre com gosto de quero mais.

O legal de lá é que existem muitas cidades dentro de uma só. Você pode visitar a cidade das compras das grifes e das lojas de departamento. Você pode visitar a cidade das pechinchas e das descobertas. Pode ainda visitar a cidade dos museus, a cidade das delícias gastronômicas (da mais alta e da mais baixa gastronomia), a cidade do luxo e do underground. Você pode montar a sua própria Nova Iorque do jeitinho que quiser, mais saidinha, mais shopaholic, mais faminta, mais culta, ou misturar tudo e fazer um bom samba do criolo doido com todos os sotaque (e com predominância do chinês e do espanhol).

Enfim, é uma cidade tão cheia das suas próprias cidades que nunca me deixa cansada ou sem ideias do que fazer.

Assim, já estou com a programação pronta, e malas nada prontas (ai, me preparar para o frio neste calor é quase um contrasenso), e uma lista cheia de novos lugares para provar novos e mais cheesecakes.

Escrevo e trago novidades!!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: