Archive | December, 2009

em 2010, vamos botar a mão na massa!

30 Dec

Em 2010, nosso futuro mais próximo, não adianta ficar parado, esperar para ver, achar que como vai está de bom tamanho. Em 2010, o melhor caminho é colocar a mão na massa, botar os planos em ação, fazer acontecer, ainda que para isso você tenha que se sujar um pouco. Em 2010, pense em 100 coisas que você pode fazer ou uma coisa que você pode fazer 100 vezes para ajudar uma, 100 ou milhares de pessoas!

(Foto do poster do projeto Dirty Poster, aqui)

Advertisements

um natal e 16 ceias

26 Dec

Meus natais sempre foram pequenos, em família pequena, com farras na medida em que 4, no máximo 6 pessoas, conseguem fazer. Quando criança, aproveitava a distração dos meus pais para cruzar a rua (na época de Pirenópolis) e ver as pegadas do papai noel e o corre-corre dos 24 primos que vinham visitar a vó que ali morava. Pollyana, minha primeira amiga na vida, era uma das primas, e me levava pelas mãos para percorrer o mundo encantando de um Natal em família grande. Por lá, desfilavam tios variados, barba de papai noel, comidas de outros mundos e uma alegria natalina que poderia ser categorizada como a alegria quintescencial.

Este ano o Natal foi pequenininho de novo, sem ter para onde correr ou um mundo de fantasia no qual me enfiar. Enfim, com pai longe com meu irmão e madrasta, mãe longe (na mesma cidade da minha infância) com meu padrasto, juntamos a nova geração da família (as duas irmãs e nossos respectivos pares-amores) para comemorar como se deve, com amor, comida e presentes. Minha cruzada de rua, o engrandecimento do meu Natal, foi minha participação indireta em 16 ceias através dos mais variados cheesecakes, minis e grandes, adoçando o fim da festa de famílias e amigos, aqui, no interior e na praia! E essa produção me deixou super cansada, mas imensamente feliz! Que venham outros Natais!

one hundred days to make me a better person

26 Dec

Em geral são os políticos em seus cargos mais altos que são avaliados pelos seus famosos primeiros 100 dias. Todo mundo espera que neste período eles já tenham demonstrado a que vieram e tenham começado a deixar marcas do que serão. 100 dias pode parecer pouco, tendo em vista a imensidão de dias que compõem nossa vida e o mundo, mas pode ser muito tempo para botar algum desejo ou missão no seu caminho.

Com essa ideia, a comediante Josie Long propoe que cada pessoa use seus primeiros 100 dias do ano para se transformar em uma pessoa melhor, fazendo algo pelos outros, pelo mundo ou por si próprio. Você pode fazer coisas diferentes todos os dias (sorrir para estranhos, distribuir livros, etc) ou buscar todo dia algo que somado leve a algo maior. “A única coisa é que tudo deve ser feito com o objetivo de se tornar melhor. Fazendo de você uma pessoa mais amiga, mais forte, mais esperta ou simplesmente mais boba!”, diz Josie Long.

Para concretizar o projeto, que depois vira um documentário a ser exibido no festival de cinema de Londres, a comediante convidou vários artistas (anônimos também estão convidados!) para registrar esse processo através de fotos, textos e filmes e coordena tudo através do site Hundred Days. Se você quiser começar a contabilizar os seus 100 dias livremente, comece agora, usando um blog, twitter ou outra plataforma para contar o que fez. Se quiser fazer parte do projeto, cadastre-se no site e pegue carona no dia de número 26!

Aqui, algumas atitudes registradas no site

  • Misha will smile at a stranger
  • SudashaV will Keep my body healthy and give someone a reason to smile!
  • ybthis will record an interesting fact i learn
  • Jessica Willers will send my dear friend Lisa Heledd Jones a text message each day to let her know how inspiring and special she is.
  • thesneakybandit will make something creative to help the world become a better place…
  • wishyfishy will make someone smile or laugh, or help someone
  • NikkiShaill will do something new that I have never done before
  • kitchen will say yes to an invitation (eu adorei essa!)
  • Tequila Mocking Bear will Take a picture of someone smiling after causing that smile by design or default.
  • simondowling will walk for an hour to improve my health (também preciso)

Que tal? Quem sabe seja mais produtivo avaliar sua conduta no ano pelos 100 primeiros dias, para fazer correções de rota antes que chegue de novo o fim do ano?

in a manner of speaking

26 Dec

pós tudo e pré tudo

25 Dec

Engraçado como funcionam as coisas nesta época do ano, especialmente para mim, ou talvez para todo mundo mesmo (eu às vezes acho que só eu me sinto de tal jeito e depois vou descobrindo que as pessoas se sentem de uma forma muito parecida…): a correria pré Natal toma conta de nossas vidas, seja porque os trabalhos se acumulam, seja porque o trânsito piora, seja porque temos a sensação de que não existe espaço na agenda pra tanto encontro, tanta comemoração, tanta troca de presente, tanta visita. E então chega o Natal, ele mesmo, em pessoa, compreendendo a noite do dia 24 e o almoço-ressaca do dia 25, com papéis de presente se espalhando pela casa e o cheiro das carnes natalinas competindo por seu espaço nas mesas verde-vermelho-dourada. Tem gente que comemora em familiona, tem gente que comemora em familinha, tem gente que comemora separado, gente que comemora refletindo, gente que comemora em comunhão, gente que faz festa e coral no condomínio. Passada essa comunhão sem fim, parece que nos despimos de todo o pré e ficamos nos preparando para todo o pós, o que será o novo ano e o que ele nos trará de alegrias, tristezas, surpresas. É como um jogo da vida onde nesta época jogamos os dados para ver quantas casas andamos e onde é que tudo isso vai dar. Passado o dia 24, já durante o 25, parece começar o período onde temos que arrumar tudo o que passou para dar entrada livre para tudo o que virá, essa semaninha meio limbo, meio férias, meio melancólica, meio sonhadora, onde é difícil viver o presente, porque ou se está refletindo sobre o passado ou se preparando para o futuro.

Hoje acordei melancólica. Hoje acordei com saudade de todos, com vontade de tudo, com a sensação de que uma semana não é suficiente para tanta coisa.

foto daqui http://www.flickr.com/photos/mrsmeep/3147129953/

caçando cream cheese

18 Dec

Me preparando para as encomendas de Natal (responsabilidade das grandes de fazer a mesa dessa gente bonita e de lamber os beiços) liguei ontem para o atacadista que me vende baldes e baldes de cream cheese. Na primeira tentativa, o sistema estava fora do ar. Na segunda também, o que me levou a uma terceira, que me deixou com a função para o dia seguinte que, no caso, era hoje. Ligo bem cedinho e tudo o que ouço é que “sim, finalmente o sistema está de volta”, o que ainda não me garantia que haveria meus baldes no estoque. Depois de dar meu nome, relembrar meu código que sempre esqueço, pedir quilos e mais quilos da minha matéria prima escuto o que não quero “ixi. Você quer cream cheese? Está em falta há uma semana!” – emudeci, a moça também, não sem antes me oferecer uma outra variedade incrível de produtos entre azeitonas na promoção e coca-cola de litro que de nada me valiam.

O passo seguinte era ligar para a banca do Levi no Mercadão, onde o próprio Sr. Levi atenderia e me diria que ele, sim, tinha cream cheese, mas em bisnaga, e que me salvaria do meu apuro, quem sabe, talvez, se eu chegasse rápido por lá.

A ida para aquelas bandas já estava programada mas eu tinha mais aflição do que nunca. O trânsito me incomodava, o atraso da companhia, a ideia de que minhas bisnaguinhas seriam adquiridas por outra pessoa má que certamente fariam algo não tão sofisticado como os cheesecakes natalinos prestes a brotar do meu forno.

Mas eis que chegamos ao centro sem maiores problemas, o estacionamento tinha vaga e tudo parecia tranquilo – o que parece estranho para algo tão próximo da confusa e enlouquecida 25 de março. O Mercadão estava a mil, mas sem luz, o que significava sem cartão e com poucas balanças funcionando. Como tudo se supera e no final tudo é festa, nunca vi tamanha distribuição de pedaços de um pouco de tudo para degustar, tantos vendedores tão animados, tanta atenção no cream cheese hunting e, no final, até um certo desconto concedido pelo Sr. Levi que, apesar da placa em letras garrafais que anunciava que a banca só aceitava cartão ou dinheiro, aceitou sorridente o nosso cheque com fundo e, principalmente, muita alegria: 15kg a menos de preocupação nas minhas costas!

happy xcake to you

17 Dec